Buscar
  • Miranda Guimarães

A importância estratégica do MERCOSUL


A importância de um bloco de países como o MERCOSUL é estratégica para o Brasil, bem como nos leva à análise de nossas futuras opções comerciais para um desenvolvimento de futuro. Por outro lado, a complexidade dos inúmeros e profundos estudos, pesquisas e estatísticas efetuados até hoje cumpre um papel essencial na formulação das nossas metas financeiras, econômicas e de relações internacionais.


Não podemos esquecer que a atual organização e estrutura do bloco auxilia a preparação, dá forma e sustentação à evolução de um sistema que é o grande expoente brasileiro no cenário internacional, nas relações econômicas e até mesmo políticas, trazendo ao país maiores alicerces para negociações ao gozar de status de “bloco econômico e regional”.


A prática demonstrou que há formas distintas de evolução para blocos econômicos, (1) pode permanecer como um mero acordo de vantagens econômicas ou “zona de livre comércio”, (2) pode passar por transformações e progredir para uma “união aduaneira”, ou ainda, (3) para uma livre circulação de pessoas, bens e serviços, uma “união econômica e política” de estados-membros independentes situados principalmente em uma mesma dimensão regional.


A melhor experiência mostra que a União Europeia é um dos exemplos de blocos mais adiantados, apresentando uma integração econômica, social e política, moeda comum, livre circulação de pessoas e funcionamento de um Parlamento Europeu formado por deputados dos países membros e eleitos pelos cidadãos. E, a partir desta experiência, comprova-se que a consolidação das estruturas prejudica a percepção da importância da autonomia e independência dos países como nação e povo, de autodeterminação, das condições apropriadas para os negócios e das diferentes concepções de conceito de Lei, da integridade de um sistema judiciário, jurisdicional e constitucional independente e harmonizado.


O incentivo ao avanço “comunitário”, assim como o início de um PROJETO de formação de um “bloco de união” em expansão para uma “união aduaneira, política e econômica, como livre circulação de pessoas, bens e serviços e com formação de atitudes pró unificadoras, acarreta em um processo de reformulação de conceitos de soberania e das formas de ação. para uma transformação em “comunidade” e “União” de conceito pleno, exige passar por um processo gradual de evolução ou transformação.

6 visualizações0 comentário